quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

new dawn



Birds flying high you know how I feel, Sun in the sky you know how I feel, Breeze driftin' on by you know how I feel...

It's a new dawn, It's a new day, It's a new life for me!

And I'm feeling good...

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

riverside diaries_3

ultimamente só me dá para dormir e para fazer jantares de amigos. cá em casa, claro, no quentinho aconchego do (provisório) lar.

será saudade antecipada do ninho? (não fosse eu desde sempre uma valente dorminhoca, e a coisa até dava para preocupar!)

dirão vocês: "é do tempo...". ah pois é, com certeza. do tempo que (ainda) tenho. que o outro... bem... esse não me incomoda muito.

gosto de chuva e gosto de vento, quer seja para ficar enroscada na cama, ouvindo o gotejar que chega da rua, quer para sair sem guarda-chuva, só o kispo e o carapuço a proteger a cabeça, e sentir como a minha vida é insignificante se comparada à imensidão da natureza.

a chuva tem essa propriedade fundamental: tudo adoça e tudo relativiza...*

... e cheira a VIDA.


*Nota: estou aqui a falar de chuvINHA e de ventINHO, ou seja, ambos em quantidades não ameaçadoras. ressalva feita, portanto, àqueles que sofreram danos físicos ou perdas materiais devido ao recente mau tempo, com os quais obviamente me solidarizo. aqui no que nos toca, já era tempo de portugal se preparar para os invernos rigorosos que todos os anos nos "surpreendem".

domingo, 27 de dezembro de 2009

carta do dia


7. Projecções

"O homem e a mulher desta carta estão se olhando; contudo, não são capazes de se enxergar com nitidez. Cada qual está projetando uma imagem que construiu em sua mente, de maneira a encobrir o rosto verdadeiro da pessoa para quem está olhando.

Todos nós podemos cair na armadilha de projetar "filmes" de nossa própria autoria, sobre as situações e as pessoas à nossa volta. Isso acontece quando não estamos plenamente conscientes de nossas expectativas, desejos e julgamentos; em vez de assumir a responsabilidade por tais expectativas, desejos e julgamentos, e de reconhecê-los como nossos, tentamos atribuí-los aos outros.

Uma projeção pode ser diabólica ou divina, perturbadora ou confortadora, mas continua sendo uma projeção -- uma nuvem que nos impede de ver a realidade como ela é. O único modo de escapar disso é entender como funciona o jogo. Quando você der com um julgamento se formando a respeito de outra pessoa, vire-o do avesso: aquilo que você está vendo no outro, na verdade, não pertence a você? A sua visão está límpida, ou obstruída pelo que você quer ver?"

retirado daqui

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

"F.r.i.e.n.d.s." quotes: Joey

[about driving through "The Tunnel of Commitment"]
Joey: Well, I've never been through the tunnel myself. 'Cause as i understand it, you're not allowed through it with more than one girl in the car.

Rachel: But do you think that maybe, on some level, you don't want to take off my bra?
Joey: No, I don't have another level.

Joey: In my spare time, I, uh, read to the blind. And I'm also a mento for kids.
Interviewer: A "mento"?
Joey: You know, a mento. A role model.
Interviewer: A men...to.
Joey: Right.
Interviewer: Like the candy?
Joey: As a matter of fact, I do.

Joey: Did you think about the trail?
Ross: What trail?
Joey: The trail from the woman you did it with to the woman you hope never finds out you did it. You always have to think about the trail!

Joey: Yes! Guess who's in an audition for a Broadway musical?
Chandler: I want to say you but, that seems like such an easy answer.
Joey: It is me! It's a musical version of Tale of Two Cities. So I think I'm gonna sing "New York, New York", and ah, oh "I Left My Heart in San Francisco".

Joey: What are you doin'?
Rachel: Moving a chair, so I can have a place to sit?
Joey: No, no, Rosita, does not move.
Rachel: As in, what...?
Joey: As in, Rosita does not move!
Rachel: Why not?!
Joey: 'Cause she is in the equal distance from the kitchen to the bathroom and she is at the perfect angle so that no glare is comin' off Stevie...
Rachel: Stevie the TV?
Joey: Is there a problem?!

Joey: (to Rachel) There was this scene in "Footloose" -
Chandler: "Flashdance".
Joey: Right, right. With that plumber girl -
Chandler: She was a welder.
Joey: What, were you like IN the movie?!

[at a TV Contest]
Gene: You put this in your coffee.
Joey: A spoon! Your hands! Your face!
Gene: It's white.
Joey: Paper! Snow! A ghost!
Gene: It's heavier than milk.
Joey: A rock! A dog! The earth!
Gene: Pass!

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

da amizade enquanto, por vezes, infortúnio

que fazer quando temos uma relação com alguém que é de tal forma diferente de nós que, a bem dizer, cada uma das partes tem que fazer um esforço sobre-humano para se adaptar à outra e para compreender a outra, e apesar desse esforço constante a outra parte nunca está satisfeita?

que fazer quando a relação já carrega tantos anos de mágoas e de ressentimentos que estes vêm à superfície por dá cá aquela palha?

que fazer quando já não adianta falar porque a outra parte não nos ouve? e a frustração acumulada é tanta que até esquecemos o que é que gostamos uma na outra...

se fosse amor sexual já teria dado em divórcio, com certeza. como é amor fraternal... não sei. pergunto-me se será tempo de parar.

(e o à-vontade com que escrevo isto aqui é porque a outra parte não lê o meu blog. não gosta de blogs, não tem tempo para blogs e não acha importante ler o meu).

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

a insustentável leveza da singularidade

já foi tempo. em que ser trintona (ou trintinha) e solteir(a) era uma mácula, uma anormalidade.

"isso é coisa do século passado!", dirão talvez vocês, em especial os homens.

pois, mas não. pelo menos neste cantinho a norte de portugal, ser solteir(a) por opção é um privilégio apenas deste século, o vinte e um. e ainda não é para todas.

claro que há cada vez mais mulheres na casa dos 30 e ainda solteiras. e tantas outras que optam pela união de facto como alternativa ao casamento.

estou certa que todas estas mulheres aparentam ser atraentes, confiantes, bem-sucedidas.... enfim, fantásticas. e estou certa que elas próprias fazem questão de salientar que não precisam de homens para nada. têm a sua vida, os seus amigos, a sua carreira... príncipe encantado e filhos? claro, talvez um dia. mas não para já.

o problema é que, geralmente, essas super-mulheres são as primeiras a olhar-se ao espelho e a questionar-se: "o que há de errado comigo? porque é que não tenho ninguém?".

muitas se queixarão da pressão social, esquecendo-se que a raiz desse condicionamento está nas nas suas próprias cabeças. nas cabeças dessas mulheres lindas, fantásticas e independentes, que fazem questão de mostrar que não precisam de ninguém porque precisam muito de alguém. porque, sem um companheiro, sentem-se incompletas.

por isso digo que este fenómeno é ainda recente. é visível mas não está interiorizado nos corações. a solteirice disseminada acontece, simplesmente, porque cada vez somos mais exigentes. porque já não nos contentamos com o bom ou o morno ou o assim-assim. porque estamos convictas de que merecemos mais e melhor, e estamos dispostas a esperar por esse mais e melhor. a solteirice não se escolhe... acontece. e, portanto, aguarda-se pelo "tal"; e, enquanto se aguarda, há que mostrar que estamos muito bem assim, solteiras.

este ano (apenas este ano), aos 32, consegui finalmente abraçar a minha condição de solteira. a (quase) insustentável condição de saber que talvez não tenha sido feita para uma vida de casal, encaixada em determinados cânones, e que não há mal nenhum nisso.

se não preciso de homens para nada? claro que preciso! não sou uma pedra. sinto solidão, como toda a gente; gosto de partilhar momentos, conversas, carícias e gestos. mas confesso que não gosto de pensar a dois, de decidir a dois, de trocar o "eu" pelo "nós".

por enquanto, sou realmente solteir(a) por opção. porque recuso-me a estar com alguém na lassidão de quem não quer estar sozinha. porque tenho expectativas altas (íssimas) e portanto tenho que encarar que a probabilidade de encontrar alguém que me encha as medidas não é muito animadora.

mas hoje, FINALMENTE, estou em paz com essa opção. não digo que não queira um companheiro de longo prazo na minha vida. nem que não o venha a ter. nem sei, por exemplo, se terei filhos ou não.

mas estou preparada para a possibilidade de isso nunca acontecer. ou de demorar muito tempo. e entretanto, não vou ficar em compasso de espera, nem vou deixar de viver e de dar o melhor de mim aos que me rodeiam.

apesar do meu habitual cepticismo, continuo a acreditar no amor; apenas não acredito que este seja para todos, nem que tudo o que nos passa pelos olhos, diariamente, seja amor - longe disso.

também tento não criticar… cada um lida com a sua solidão como pode - e eu não sou exemplo de moralidade para ninguém. o essencial é ser-se honesto.

mas saber olhar ao espelho, sorrindo, e aceitando quem somos, com o fulgor dos nossos sonhos e a consciência das nossas limitações, é uma conquista diária.

e ser ainda capaz de aceitar o peso desta opção sem perder as asas que nos elevam para além de nós próprios… é uma dádiva.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

fun fun fun

prémio Que vão Eles fazer Em 24 Horas, um Powerpoint?
"Amanhã é o dia final e decisivo da Cimeira de Copenhaga. São esperados 115 chefes do Estado e do Governo. "

prémio Estou a Seguir a Cimeira pelo Twitter
"Apesar da negociação estar a ter solavancos, está bem encaminhada para ser conseguido um acordo global e vinculativo", assegurou a ministra do Ambiente portuguesa, Dulce Pássaro (em 16-Dez).

prémio Logo agora Que tinham Algo em Comum
"Some of the bitterest exchanges at the 12-day conference have been between the United States and China, the world's two biggest polluters."


http://en.cop15.dk/

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

o que eu fui encontrar!

uma daquelas citações de filme que me ficou para sempre na memória (acho piada, fazer o quê?).

e de onde? do "working girl" ("uma mulher de sucesso"), 1988, com a melanie griffith.

entretanto, graças a esta imagem, descobri que há um filme feito para TV em 1973 com este exacto título.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

tá tudo louco, hoje

a minha mãe aproveitou o facto de eu não saber onde pára a password das Finanças para me dar um petit sermão sobre como a minha vida seria melhor se eu a deixasse organizá-la.

a minha irmã está trancafiada em casa a fazer a tese. morreu para o mundo.

a minha afilhada está trancafiada em casa a fazer a tese. morreu para o mundo.

o meu amigo j. está há 3 horas a discutir comigo por email por causa de uma pôrra de um (pelos vistos 2) jantar que eu recusei. ou melhor, estamos a comunicar, e não a discutir (diz ele).

e a cnn weather afirma que estão 10ºC no porto. ha! in your dreams.

está tudo louco.

remember my name

domingo, 13 de dezembro de 2009

riverside diaries_2

almoço tardio com a minha amiga G. numa esplanada à beira-mar, mesmo perto aqui de casa. conversa alegre, assuntos por vezes surreais (como tantas vezes são os nossos assuntos). as tonalidades mágicas e mornas do sol de inverno na praia, como no rio próximo, como na minha varanda.

no regresso, o silêncio sossegado da casa, interrompido apenas quando quero e como quero.

está-se bem por aqui. recuperando forças e aguardando fevereiro.

sábado, 12 de dezembro de 2009

o meu voto para o filipe pinto

... que, orgulho-me de dizer, é o mano mais novo da minha querida andreia. :)

como já todos tiverem oportunidade de ver, o rapaz tem imenso talento, um gosto musical notável (igual ao meu eheheh), e entrega-se à música de corpo e alma... daquela forma que nos provoca arrepios na pele.



espero bem que seja ele o próximo ÍDOLO.. a mim já me conquistou!! :)

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

breve compêndio de irritâncias (um)

# álbuns de fotos chamados "me, myself and I"

para além da profusão de álbuns virtuais com este nome, saibam que estão a plagiar:

  • um álbum inteiro da beyoncé
  • esta lista de artistas (mais um filme e uma peça de teatro)

"Me, Myself, and I" (1937 song), a song popularized by Billie Holiday "Me, Myself and I" (Chalk Circle song), a 1986 song "Me Myself and I" (De La Soul song), a 1989 song "Me, Myself & I" (Vitamin C song), a 1999 song "Me, Myself & I", a 2001 song by Jive Jones "Me, Myself and (I)" a 2007 song by Darren Hayes "Me, Myself & I" (Scandal'us song), a song by Scandal'us Me Myself I, a 1980 album by Joan Armatrading Me, Myself & I (album) a 2006 album by Fat Joe Me, Myself and I (play), a 2007 play by Edward Albee Me, Myself and I (film), a 1992 film by Pablo Ferro

  • uma empresa de design e publicidade


... e tudo isto apenas numa página de google search. em, digamos, 5-7 minutos.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

final official nano-word-count

falhei redondamente o objectivo fixado, que era o de atingir as 50.000 palavras até ao final de novembro.

os culpados? uma viagem a munique, kilogramas de trabalho sobre os meus ombros, vida social activa... e (o pior de todos) a procrastinação em geral.

mas como eu sou uma miúda persistente (perdão, teimosa), decidi não me ficar e fixar para mim própria um objectivo mais realista: o das 5.000 palavras.

e acabo de conseguir atingi-lo! :-D

como boa portuguesa que sou, só começo a trabalhar a sério quando o prazo está quase a estourar; pelo que escrevi 1.717 palavras nos primeiros 29 dias do mês, e a módica quantidade de 3.340 palavras HOJE.

não são 50.000, pois não... mas são mais 5.000 palavras do que as que eu escreveria num mês normal. são, acima de tudo, treze páginas de prosa com sentido e que pede para ser continuada.

por isso, sinto-me... vitoriosa!

e agora tenho uma história para finalizar. :)