sexta-feira, 28 de novembro de 2008

knock knock

hoje estamos fechados para pessoas

favor voltar amanhã

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

casa-trabalho-casa-sofá-TV

nunca entendi como se pode viver desta forma e ser feliz...

... mas sei que seria bem mais feliz se não tentasse ou precisasse de entendê-lo.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

... e agora a parte prática da epifania...

após ter parado o meu pobre azulinho na berma (tal como fez o Bom Sr. do Camião Desmontável), as minhas primeiras preocupações foram, por ordem de chegada:

1) será que isto se qualifica como uma epifania?
2) terei furado algum pneu?
3) terá o meu carro outros danos?
4) vou chegar atrasada ao Porto!

"que sorte", pensei "vou pedir a este bom Sr. para me ajudar a ver se o meu carro ainda está em condições." (nessa altura eu ainda pensava que a gigantesca placa negra se tinha soltado de um qualquer sítio - sei lá - nas nuvens, e que tanto eu como o camionista tínhamos sido apanhados de surpresa naquela situação).

ora, em boa verdade o fulano não se preocupou grandemente com o estado do meu automóvel. preocupou-se, sim, em recuperar os destroços da placa divina e em seguir viagem. olhou para os pneus de passagem (a meu pedido) e respondeu ao meu "obrigada" com um "obrigado eu!"

"obrigado eu"?... ah pois... é que a placa soltou-se do camião. e podia ter causado um acidente grave. e sempre gerou alguns danos no pára-choques (e sabe-se lá mais onde). não deveríamos então estar a trocar números de telemóvel para fins não românticos, eu e o Bom Sr. do Camião?

o gajo quase a arrancar. "vou lá ou não? ah, que se lixe, já estou atrasada!".

pois é. a eterna ingénua. eu costumo dizer que a ingenuidade pura nos resguarda de alguns males (e continuo a crer que sim), mas sem dúvida que nos expõe muitas vezes à esperteza saloia dos outros.

bom seria que todos tivéssemos um pouco mais de civismo, integridade e humanismo. assim não precisaríamos de vestir a armadura antes de sair de casa, não vá o primeiro fulano que apareça querer aproveitar-se de nós.

paciência, lá terei que rogar-lhe a praga do costume.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

do Ser e do destino

"Às vezes, certas coisas estão no nosso caminho, mas como não chegou a nossa hora, elas passam apenas de raspão, sem nos tocar - embora sejam suficientemente claras para que possamos vê-las."

in Ser como o Rio que Flui, Paulo Coelho


***
tinha este post em draft há algum tempo. retive-o porque a frase tocou-me; mas como não consegui precisar o motivo, não o publiquei.

no livro do Paulo Coelho, a frase refere-se à morte.

hoje, regressando do trabalho pela VRI, noite cerrada (como agora é noite cerrada às 18h30), uma gigantesca placa negra partiu e soltou-se do camião que seguia à minha frente, acertou no pára-choques do meu carro, foi esmagada e galgada pelas rodas.
parei na berma da auto-estrada, o dano não foi grande. o susto não foi grande, também, foi mais a surpresa do inesperado. mas agora estaquei os olhos na frase, reli-a, relembrei o excerto do livro - e ocorreu-me muita coisa.

a placa podia facilmente ter acertado no vidro, estilhaçando-o. podia ter entrado pelo automóvel dentro na minha direcção. podia ter-me ferido instantaneamente ou ter-me feito perder o controlo do volante.

escassos segundos antes, seguia eu lentamente pela faixa da direita, a pensar na minha vidinha, a reflectir sobre epifanias e sobre se algum dia teria uma.

entendem porque este post faz hoje todo o sentido.

sábado, 22 de novembro de 2008

da alma

"O Homem não é o mundo em viva síntese consciente? A Natureza, para o criar, serviu-se de todos os seus materiais. Nós somos um edifício construído por fora com toda a terra e iluminado, por dentro, com todas as estrelas. E nele, vive silencioso e prisioneiro, o fantasma do seu arquitecto."

Teixeira de Pascoaes, Aforismos

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

e não esquecer que o tipo era um cínico de primeira

"We are all in the gutter, but some of us are looking at the stars".
Oscar Wilde

... or, at least, trying...

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

o avesso virado do dia

perdão: o dia virado do avesso.

e logo de manhãzinha, como que para testar a minha paciência pelo meio do habitual soooooooono e resmunguice.

era para ter sido:
1) entrar no carro (e guiar até ao emprego bem depressinha para chegar cedo)
2) ir ao posto médico tirar sangue para análises.

acabou por ser uma aventura Kusturica, com o alarme da seringa a disparar durante dez minutos seguidos e a borracha do carro a romper e a esguichar sangue por todo o lado. adjectivando: alarme en-sur-de-ce-dor, sangue bem vermelhusco.

e eu impávida e serena, tipo espectadora de comédia.

depois fui tomar o pequeno-almoço. ou almoço pequeno. whatever.

terça-feira, 18 de novembro de 2008

as peripécias IT da minha empresa

UMA. por aqui, o IT gosta de bloquear os programas de chat à malta. diz que é para evitar que os colaboradores se distraiam do trabalhinho que têm para fazer. por exemplo, quando entro no Gmail o modo "conversa" está automaticamente desactivado, e o meu nome aparece sempre a cinzentinho.

ora eis que, de há uns tempos para cá, noto que volta e meia o chat do Gmail fica disponível. assim sem mais nem quê - presumo eu que porque alguém do IT tropeça num botão ou num fio e "puf!" activa o chat sem querer. curiosamente, também notei que quando o chat fica disponível, o hi5 bloqueia. e quando o hi5 torna a ficar disponível, é porque o chat já foi ao ar outra vez. não percebo muito bem, mas deve ser um caso de a) duas fichas para a mesma tomada, ou b) espaço na lista de proibições para apenas uma coisa de cada vez.

ou então é mesmo azelhice.


DUAS. para além de não termos chat, também não temos Flash Player. nada de youtube nem de sites mais elaborados, snif snif.

hoje de manhã, ao iniciar o PC, recebi uma mensagem interessante: "Está disponível um update da sua versão do Flash Player. Deseja instalá-lo?". e eu já a esfregar as mãos de contente, "tropeçaram no fio outra vez!!". lá instalei o update (com sucesso, ao que parece).

experimentei entrar num dos tais sites elaborados e diz-me o IE: "This content requires the Adobe Flash Player. Get Flash".

oi? pois se até está actualizadinho e tudo...

não há direito...

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

spiralling <-> signalling


há dias em que vejo uma seta vermelha, gorda e saltitante, a indicar-me o caminho. mas são poucos, infelizmente. na maioria deles parece simplesmente que a estrada está toda em obras, e nenhum sinal de trânsito se avista entre a neblina.

quando for crescida (riscar e substituir por:) quando entrar no second life quero ser...

... baterista dos Muse
(especialmente para tocar no "Assassin". acho que é o "Assassin". em geral: bateria poderosa, vibrante, rica, com ritmos que variam no decorrer da mesma música e que me fazem definitivamente pensar naquele monte de tambores e pratos - e logo a mim que sou um bocadito dura de ouvido - como mais do que um mero tchic-a-tchich-a-bum-bum-tcshhhh-catrabum).

... patinadora artística
(ADORO patinagem, sempre adorei. tem graciosidade. tem beleza. tem (geralmente) música fabulosa a dar o mote - e a qual podemos efectivamente acompanhar porque os patins aproximam-nos do vôo. desafia a lei da gravidade. é uma das formas de dança mais livres que conheço e (last but not least) brinda quem a pratica com um par de pernas deliciosamente torneado).

... estilista
(é o que dá ver o "Project Runway" muitas vezes. é incrível como em poucas horas surge roupa - e até fantástica! - de meia dúzia de trapos e de uma ideia. no último desafio acertei no 1º e último classificados, portanto posso dizer que tenho tão bom gosto como a Heidi Klum, a Nina Garcia (da revista Elle) e a "whoever-she-is" actriz convidada do programa. nada mau!! :-))

... realizadora de videoclips
(simplesmente para poder concretizar os filmes que passam na minha cabeça quando ouço boa música. o universo da música aliada ao design e ao marketing fascina-me; vejo aí um potencial imenso de comunicação, de inspiração, de mobilização de pessoas).

... o(a) gajo(a) que encaixa a BSO nos filmes
(no seguimento do anterior, a arte de contar uma história também através da música, ou de reforçá-la através da música... numa interligação, num diálogo permanente).

terça-feira, 4 de novembro de 2008